Quem somos

0

O CNJ - C. Negócios da Junqueira, S.A. é um espaço empresarial dinâmico com excelente acessibilidade e localização. 
Dispõe de infra-estruturas com espaços flexíveis, onde poderá optar por soluções à medida das suas necessidades: escritórios físicos e escritórios virtuais, que fornecem serviços de qualidade e credibilidade profissional.
O CNJ surge para dar resposta às solicitações do mercado, permitindo às empresas de diversos setores a possibilidade de criar sinergias e proporcionando-lhes condições para o exercício da sua atividade.

O CNJ - C. Negócios da Junqueira, S.A., empresa atualmente dedicada à gestão e arrendamento de espaços, foi herdeira da anteriormente denominada Fábrica de Malhas Sàcole, dedicada ao fabrico de meias, peúgas e collants para bebé, criança, senhora e homem. Foi fundada, no longínquo ano de 1949, por Manuel de Sá Gonçalves, da geração anterior à atual Administração.

Durante os anos 60, a empresa começou a ganhar uma projeção crescente, tendo conquistado uma posição de relevo na indústria nacional desta área têxtil, através da sua marca registada "KEIT", ainda hoje reconhecida.

Nos anos 80, a Fábrica de Malhas Sàcole, ultrapassada a grave crise nacional da década de 70, atinge o estatuto de maior empresa portuguesa na produção vertical de peúgas, tendo recebido diversas vezes o título "PME Excelência" e mais tarde "PME Líder".

No final do século XX ampliou não só as suas instalações, como adquiriu teares de tecnologia mais avançada, tendo sido das primeiras empresas a implementar um Sistema de Controlo de Qualidade obtido da SGS. 

A sua internacionalização foi um facto e motivo de orgulho para todos quantos para isso contribuíram, com exportações não só para países da União Europeia, como para os Estados Unidos da América e a participação frequente em eventos comerciais a nível mundial, entre os quais França, Itália, Holanda, China, URSS e USA. Teve filial em Espanha durante alguns anos.

Vários fatores conjugados, entre eles a abertura do comércio internacional aos produtos chineses, contribuíram para que se criassem condições industriais e comerciais adversas, o que levou a um decrescimento da exploração.

Há mais de 5 anos o objeto social é o da administração de espaços, estando a envidar-se esforços no sentido de se obter um Centro Empresarial acolhedor e apetecível para se ter o "nosso" escritório, o "nosso" armazém, a "nossa" pequena oficina ou indústria, o "nosso" arrumo. Em janeiro de 2019, estão instalados e ocupados cerca de 60 arrumos, 27 armazéns/oficinas e 25 escritórios. Foram finalizadas recentemente áreas de 170 m2, 250 m2 e 1.600 m2 direcionadas a projetos especiais tais como "call centers", eventos profissionais, formações e outras atividades.